Seguro de Vida cobre coronavírus?

Seguro de Vida cobre coronavírus?

COMPARTILHE:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

A crise gerada pelo surto mundial de coronavírus está mudando a política de diversas seguradoras, que começaram a cobrir mortes pelo vírus em seus seguros de vida e prestamista (que garantem o pagamento de financiamentos e dívidas em caso de morte e invalidez). Dessa forma, as empresas estão deixando de aplicar a regra de que pandemias são excluídas de apólices.

A não inclusão de pandemias no pagamento de seguros de vida ocorre devido ao fato de que esse tipo de produto tem como objetivo cobrir riscos que são previsíveis. As apólices são precificadas e os prêmios cobrados com base nessa previsibilidade. “Imagina uma pandemia que deixa 200 mil mortos. O setor quebra”, afirma o advogado Estêner Soratto Júnior, proprietário da Elisabete Seguros.

No entanto, devido à comoção causada pela epidemia de coronavírus no mundo e no Brasil, várias seguradoras já anunciaram que vão desconsiderar essas cláusulas, mesmo arcando com maiores riscos e necessidade de mais fiscalização. “As seguradoras emitiram uma nota oficial garantindo que cobrirão as mortes causadas pela Covid-19. No nosso caso, todas as seguradoras com que trabalhamos aceitaram o acordo”, conta Soratto. O advogado conta que no Brasil poucas pessoas optam por um seguro de vida. “Porém, existe o caso do seguro prestamista, então as seguradoras também estão pensando na viabilidade, isso causa preocupação”, alerta o empresário.

Em caso de morte ocasionada pelo coronavírus, natural ou decorrente de um acidente do segurado, a seguradora paga uma indenização para a família e aos demais beneficiários descritos na apólice, se houver. O valor dessa indenização será o que estiver estipulado em contrato.

 

Seguro é válido apenas para contratos assinados antes da pandemia

A nota oficial das seguradoras deixa claro que os seguros de vida que serão pagos em caso de morte causada pela Covid-19 ocorrerão para quem já tinha o serviço contratado. Ou seja: quem pensa em fazer agora, não recebe em caso de falecimento”, finaliza Soratto.

*Matéria exclusiva publicada na edição impressa de abril/maio da Revista Única.

COMPARTILHE:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Notícias Relacionadas